FPJudô inicia curso de capacitação para juízes de kata com o mesmo sistema utilizado pela FIJ

Luís Alberto dos Santos realiza movimentos básicos do nage-no-kata © Mário Manzatti / FPJCOM

Novo formato será adotado nas competições a partir de 2023 e os juízes paulistas estarão aptos a usar o software de contagem de pontos até o fim deste ano

Por Paulo Pinto / FPJCOM
5 de julho de 2022 / São Paulo (SP)

Atendendo ao projeto que visa a atualizar os critérios de avaliação das competições de kata, neste sábado (2 de julho) a Federação Paulista de Judô (FPJudô) deu início ao curso de capacitação para juízes. Realizado no Centro de Aperfeiçoamento Técnico da FPJudô (CAT), na Água Branca, o módulo de nage-no-kata registrou a presença de 26 faixas-pretas.

Professores kodanshas preparam-se para o rei inicial © Mário Manzatti / FPJCOM

Organizado e apresentado pelo professor kodansha Luís Alberto dos Santos, coordenador de cursos da FPJudô, o módulo contou com a atuação importante de Alexandre Ricardo Nardi, professor san-dan desenvolvedor do software que lê as fichas de avaliação dos competidores elaboradas pelos juízes.

Professores kodanshas Wagner Vettorazzi, Sérgio Ferrante, Luís Alberto, Eduardo Kitadai e os professores Alexandre Nardi (san-dan) e Lairton Mansor (go-dan) © Mário Manzatti / FPJCOM

Durante sete horas aproximadamente, os palestrantes Luís Alberto e Alexandre Ricardo passaram o conteúdo teórico e prático aos participantes. Para os próximos meses o projeto prevê a realização de módulos de capacitação em katame-no-kata, ju-no-kata, kime-no-kata e kodokan goshin jutsu.

“A capacitação dos juízes, seguindo critérios de avaliação utilizados pela Federação Internacional de Judô (FIJ), é extremamente importante para alinharmos o judô do Estado ao que se faz em nível mundial. Para mantermos os resultados já conquistados em eventos internacionais é necessário preparar juízes, técnicos e duplas de competidores com o mesmo sistema utilizado pela FIJ”, explicou o coordenador de cursos da federação.

Sensei Luís Alberto detalha os aspectos práticos do novo sistema de contagem dos pontos © Mário Manzatti / FPJCOM

“Dessa forma”, prevê Luís Alberto, “devemos atualizar ainda neste ano todos os juízes de kata para as competições que a Federação Paulista de Judô realizará a partir de janeiro de 2023.”

Avaliação de participantes

“Esse encontro de capacitação para os juízes de nage-no-kata mostra a preocupação da FPJudô com a prática e o desenvolvimento do kata em nosso Estado. Com muita competência e responsabilidade, os professores Luís Alberto dos Santos e Alexandre Nardi nos apresentaram um novo caminho para realizar a avaliação”, disse o professor kodansha shichi-dan (7º dan) Wagner Antônio Vettorazzi. “Isso vai permitir que a partir de agora as notas sejam mais coerentes com as apresentações, um sonho antigo de todos nós, praticantes e apaixonados pelo estudo do kata. Agradecemos muito por esse excelente encontro que nos proporcionou enorme avanço.”

Os palestrantes Luís Alberto dos Santos e Alexandre Ricardo Nardi © Mário Manzatti / FPJCOM

O professor kodansha roku-dan (6º dan) Eduardo Kitadai também apreciou a oportunidade de se atualizar no sistema de avaliação de nage-no-kata adotado pela FIJ. “Sob a orientação do coordenador professor Luís Alberto dos Santos e sua conceituada equipe participamos do primeiro curso de formação de juízes de nage-no-kata a fim de crescemos como um todo. Assim, beneficiaremos todos os judocas, em especial os competidores, levando aos nossos alunos e praticantes conhecimento atualizado sobre avaliação de kata.”

Faixas-pretas no CAT © Mário Manzatti / FPJCOM

“Eu vejo que a Federação Paulista de Judô está sempre na vanguarda, introduzindo mudanças tecnológicas. Além da agilidade do software, a transparência das notas é realmente o diferencial desta inovação. Sabíamos que isso já vinha sendo pesquisado pelo sensei Luís Alberto em conjunto com professores que trabalharam muito para a sua validação e homologação”, observou o professor go-dan, Clóvis Vieira de Mello. “Esperamos que o sistema tenha sucesso na implementação e que possamos trabalhar com mais tranquilidade. A ideia da abertura aos praticantes e competidores de kata foi genial, pena que não houve adesão, pois é muito importante para eles.”

Objetivo alcançado

“A estrutura da capacitação, com o detalhamento dos elementos práticos do kata seguido pela apresentação dos critérios de avaliação da FIJ, permitiu que prática e teoria caminhassem juntas, com maior fixação dos conceitos pelos participantes”, pontuou o professor Nardi. “A forma como o sensei Luís conduziu o curso deixou todos à vontade para tirarem dúvidas durante o dia todo, contribuindo ainda mais para o aprofundamento no estudo do kata e da sua avaliação.”

Faixas-pretas no CAT © Mário Manzatti / FPJCOM

Para ele, o trabalho começou com o pé direito na jornada de adoção dos critérios pela FPJudô, lembrando que está sendo fornecido o suporte necessário para permitir que cada juiz de kata continue se aperfeiçoando de forma adequada.

“Por fim, a inovação esteve presente, com a possibilidade de plena participação dos ouvintes. Assim, além dos juízes de kata, os atletas competidores e os técnicos puderam conhecer em detalhes os novos critérios de avaliação, o que certamente contribuirá muito para o aumento da qualidade nas futuras competições de kata”, concluiu Nardi.

Professor Nardi discorre sobre a aplicabilidade do software de contagem de pontos © Mário Manzatti / FPJCOM

Luís Alberto reiterou que todos os katas serão devidamente reavaliados neste ano. “A coordenação de cursos já recebeu a autorização da nossa diretoria para a realização dos módulos de capacitação para katame-no-kata, ju-no-kata, kime-no-kata e kodokan goshin jutsu. Em breve definiremos as datas de cada módulo.”

Segundo o dirigente, a avalição final dos participantes será realizada no início do próximo ano e somente depois disso será definido o quadro dos juízes aptos a atuarem nos eventos de kata do calendário da FPJudô.

Registro dos faixas-pretas que participaram do primeiro módulo de capacitação para juízes de kata © Mário Manzatti / FPJCOM

A Federação Paulista de Judô tem apoio da Ajinomoto do Brasil, Original Tatamis, Shihan Kimonos, MKS/Adidas e Budokan Kimonos. Por meio das suas 16 delegacias regionais a entidade congrega mais de 10 mil atletas federados e está presente em 282 municípios do Estado de São Paulo. Anualmente a FPJudô credencia cerca de 1.500 técnicos e 950 árbitros, que atuam em competições regionais, estaduais, nacionais e internacionais.

Faixas-pretas inscritos

Fique por dentro de eventos e notícias locais das Delegacias Regionais

Nossos Parceiros

Logo Parceiros

Nossos Apoiadores

Logo Apoiadores

Nosso Instagram @fpjudo