FPJudô divulga projeto de qualificação de professores no Open Ajinomoto Aspirante

FPJudô divulga projeto de qualificação de profissionais no Open Ajinomoto Aspirante 1

Professores Alessandro Panitz Puglia, presidente da FPJudô e Alexandre Janotta Drigo, coordenador da Comissão Científica da FPJudô e delegado do CREF4/SP © FPJCOM

Projeto Caminhos da Formação – O Judô Transformando Vidas foi apresentado em Ribeirão Preto para professores do interior do Estado

Por Paulo Pinto / FPJCOM
27 de maio de 2022 / São Paulo (SP)
Professores e técnicos que participaram da segunda reunião © FPJCOM

No último fim de semana a Federação Paulista de Judô (FPJudô) realizou o Open Ajinomoto Aspirante, que reuniu 468 judocas das classes masculina e feminina de 58 agremiações no Ipanema Clube de Ribeirão Preto.

Após a competição a coordenação científica da FPJudô reuniu 52 professores e técnicos do interior do Estado para apresentar o projeto Keisei no Michi – “Caminhos da Formação” – O Judô Transformando Vidas, desenvolvido em parceria com o Conselho Regional de Educação Física do Estado de São Paulo (CREF4/SP).

Segundo o presidente da FPJudô uma das principais metas agora é melhorar a qualificação dos novos professores de judô para prestação de serviços em diferentes áreas da modalidade © FPJCOM

No encontro com técnicos, dirigentes regionais e árbitros o presidente Alessandro Panitz Puglia apresentou a proposta de preparação profissional elaborada em conjunto pelas comissões Científica e do Judô Escolar da Federação Paulista de Judô em parceria com o CREF4/SP.

“Agradeço a presença dos professores e técnicos que estão participando da nossa segunda palestra de apresentação do projeto Keisei no Michi – “Caminhos da Formação” – O Judô Transformando Vidas. Entendemos que chegou a hora de rever e revitalizar o trabalho que desenvolvemos em todo o Estado de São Paulo, e iniciamos com o curso de formação de novos instrutores. Nosso principal objetivo é melhorar a qualificação dos novos professores de judô para prestação de serviços em diferentes áreas da modalidade, e contamos com o apoio e a participação de todos vocês na divulgação e disseminação deste projeto”, disse o dirigente.

Os palestrantes Alexandre Drigo e Alexsander Guedes, com os professores Cleber do Carmo, Arnaldo Queiroz, Alessandro Puglia, Luiz Onmura, Sérgio Lex e Hatiro Ogawa, que assistiram as palestras atentamente © FPJCOM

Após a abertura dos trabalhos o professor doutor Alexandre Janotta Drigo, coordenador da Comissão Científica da FPJudô e delegado do CREF4/SP, detalhou a primeira fase do projeto.

“O primeiro curso de Formação de Instrutores de Judô é a base comum de qualificação para todas as áreas, dando alicerce, sustentação e nivelamento de conhecimento para todos os eixos. Trata-se de uma preparação profissional para formação de técnicos ou professores de judô, estimulando a introdução dos futuros faixas pretas na carreira profissional. Ele se destina aos portadores de faixas marrons e interessados, acima de 15 anos, com ensino médio incompleto.”

Alexandre Drigo entende que a proposta apresentada no encontro veio para implantar maior qualificação profissional e a busca de excelência na entrega de serviços de qualidade para a sociedade © FPJCOM

Estima-se com a ação iniciar a melhora da prestação de serviços relacionados ao judô, com ênfase no desenvolvimento pessoal e profissional de futuros faixas-pretas, oferecendo melhor visão de mercado e possibilidades de emprego na área específica. Com isto, ao completar a base comum do curso de formação de instrutores, o praticante receberá a classificação de instrutor de judô e poderá atuar como auxiliar, sob supervisão de técnico ou professor responsável.

Em sua apresentação, o professor Drigo relatou: “O judô de São Paulo é muito forte tecnicamente, não necessita de grandes ajustes, por isto centramos as mudanças na preparação para o trabalho e prestação de serviços para sociedade. Neste sentido o pensamento das comissões é oferecer conteúdos para melhoria da capacitação dos jovens judocas relacionados a gestão, conhecimento do corpo humano e pedagogia do esporte direcionada ao judô.”

Professores e técnicos que participaram da segunda reunião © FPJCOM

Na ocasião, falou também o professor Alexander Guedes, ex-atleta da seleção brasileira de judô e delegado do CREF4/SP, que apresentou resultados da pesquisa realizada com cerca de mil técnicos do judô paulista. Uma das necessidades apontados pelos participantes foi a realização de cursos de capacitação por parte da FPJudô, em concordância com o pensamento dos dirigentes.

“A pesquisa realizada com professores de judô do nosso Estado surgiu da solicitação de um grupo de técnicos que, em reunião com a nova diretoria da federação, mostrou a necessidade de uma pesquisa que definisse o perfil dos senseis paulistas e mostrasse seus maiores anseios”, pormenorizou Guedes. “A partir dos dados obtidos nesta pesquisa, os envolvidos com a formulação do projeto consideram estar em plena sintonia com a expectativa dos principais agentes da comunidade do judô bandeirante.”

Alessandro Puglia com os delegados do CREF4/SP Cleber do Carmo, Alexandre Drigo e Alexsander Guedes © FPJCOM

Outra questão apresentada no evento foi o apoio e a participação, como consultor técnico, do sensei kodansha Hatiro Ogawa, que já vem contribuindo imensamente com o projeto, segundo a avaliação dos coordenadores e do presidente Puglia.

O professor Drigo lembrou que a tradução do nome do projeto em japonês já contou com a participação do sensei Ogawa. Juntamente com o sensei Akio Shiba de Tóquio. “Ambos os professores têm o objetivo de alinhar o judô paulista com os normas e preceitos que fundamentam o judô Kodokan.”

Professores e técnicos que participaram da segunda reunião © FPJCOM

Por fim, o coordenador da Comissão Científica da FPJudô enfatizou que o projeto surgiu para suprir a necessidade de criar um novo momento e de dar novos rumos ao judô paulista e, a parceria do CREF4/SP nesta iniciativa é decisiva.

“No encontro anterior, realizado no Campeonato Paulista Sub 18 em São Bernardo do Campo, os técnicos receberam o projeto Keisei no Michi de forma passiva. Já em Ribeirão Preto houve maior número de perguntas e participação dos professores. Acredito até que, pelo evento ser direcionado aos atletas aspirantes, houve maior curiosidade dos presentes. Devido a isto, observo que a proposta veio no tempo certo e para definir um novo período do judô paulista, preocupado com a qualificação profissional e a busca de excelência na entrega de serviços de qualidade para a sociedade.”

Alexsander Guedes apresentou resultados da pesquisa realizada com cerca de mil técnicos do judô paulista © FPJCOM

Professores inscritos

Fábio Takashi Kitadai, Associação Kanayama de Judô;
Edson Donizetti Bertolli, Associação João do Grito;
Marcelo Ubirajara Moreira, Associação Kanayama;
Hugo Trevizani, Associação de Judô Serra Azul;
Dimas Daniel Campos, Associação Judô Gambatê;
Edson Bustos, Academia Life Fitness;
Itamar José da Silva Lançoni, Raça Judô Quintana;
Guilherme Daud Roncai, Jita Kyoei de Judô Kodokan;
Maria Aparecida Maia, Judô Tigres de São Carlos;
Victor Correa Paula, Associação Sete Barrense Judô;
Gláucio Soares Louzada, Associação Corpore Sano;
Kelvin Luquetti Teixeira, Associação Ryukan;
Péricles Mendonça, Associação Batataense Judô;
Felipe Galina, Associação Batataense de Judô;
Lucas do Carmo, Associação Corpore Sano de Judô;
Leonardo José da Silva, SET Mogi Guaçu – AJAS;
Diego Manuel, Associação Corpore Sano de Judô;
Jaqueline Oliveira de Jesus, SET Mogi Guaçu – AJAS;
Antônio José da Silva, SET Mogi Guaçu – AJAS;
Sérgio Honda, Judô Honda Indaiatuba;
Sidnei Paris, Sayão Futebol Clube;
Cleber do Carmo, Associação Corpore Sano de Judô;
Tiago Aparecido Calabrese, SEL de Taquaritinga;
Marilaine Ferranti Antonialli, Sayão Futebol Clube;
Stefani Leal, Instituto Professor Chiba de Judô;
Tiago Agostinho Leal, Instituto Prof. Chiba Judô;
Carlos Eduardo Gomes, Associação Corpore Sano:
Terêncio Barberio Neto, Associação Corpore Sano;
Ailton José Pereira Calado, A. Judô Morimoto de Lins;
Adriano Alves Coelho, DEREM Martinópolis;
Maurício Gomes Silva, Secret. E. Franco da Rocha,
Marinaldo Andrade Souza, Secret. E. Franco Rocha,
Roberto Moysés Dutkiewcz, A Hebraica do Brasil;
Renato Gomes Camacho, Judô Vila Santa Isabel;
Taylor Silva Gomes, Associação Prof. Moura Judô;
Emerson A. Dias, Associação Amparense de Judô;
Diego Gomes Caixeta, Associação ADAJU Americana;
Fernando Catalano Calleja, Círculo Militar;
Cristina Maria T. Catalano Calleja, Círculo Militar;
Antônio Afonso Cazu, Associação Judô Adamantina;
Vera Menon Gonçalves, SEL Leme;
Edson Catarino Santos, Associação Americanense;
Ivanildo Gonçalves, Real União de Araraquara;
Taine Carnot Noda, Associação Ensô de Judô;
Marcelo Hirono, Associação Ensô de Judô;
Janaína Silva Diniz, Associação Kazoru de Judô;
Marcos Fonte Silva, Associação Kazoru de Judô;
Peterson de Godoi Rego, Associação de Judô Aleixo;
Eudes Gabriel Nascimento, Associação Judô Rio Claro;
Rodolpho Mathias, Associação Judô Rio Claro.

A Federação Paulista de Judô tem apoio da Ajinomoto do Brasil, Original Tatamis, Shihan Kimonos, MKS/Adidas, Budokan Kimonos e Alluri Sports. Por meio das suas 16 delegacias regionais a entidade congrega mais de 10 mil atletas federados de 350 agremiações. Anualmente a FPJudô credencia cerca de 1.500 técnicos e 950 árbitros, que atuam em competições regionais, estaduais, nacionais e internacionais.

Professores e técnicos que participaram da segunda reunião © FPJCOM
Alexandre Drigo em sua palestra © FPJCOM

Galeria de fotos

Fique por dentro de eventos e notícias locais das Delegacias Regionais

Nossos Parceiros

Logo Parceiros

Nossos Apoiadores

Logo Apoiadores

Nosso Instagram @fpjudo